quarta-feira, 19 de agosto de 2009

Exercício de Fixação 1ª Guerra

Lista de exercícios de fixação – História III unidade - 3° ano – noturno
Obs: Foi publicada outra versão desta lista de exercícios em agosto de 2010. 
Prezado aluno. Na Grécia antiga existia um desafio que condicionava a passagem do viajante somente se este respondesse ao enigma da Esfinge. Ao entrar no oráculo havia no alto do portal um enunciado desafiador “Decifra-me ou devoro-te”. Aquele que conseguisse interpretar corretamente a resposta seguiria por um caminho seguro e repleto de fartura, caso contrário retornaria daquele ponto e escalaria uma íngreme e perigosa escarpa. As respostas das questões objetivas estão codificadas nesta lista de exercícios. Após respondê-las confira os resultados.



I- Parte Questões Abertas - Primeira Guerra Mundial.

1- Explique o acontecimento denominado de "PAZ ARMADA".
2- Entre os antecedentes da Primeira Grande Guerra qual podemos apontar como principal fator? Justifique.
3- Qual a diferença de conceito em relação aos termos Neocolonialismo e Imperialismo?
4- Sobre as fase da Guerra podemos dividi-la em..... ? Caracterize cada uma das fases.
5- Quais interesses motivaram a participação dos E.U.A no conflito?
6- Cite as consequencias da Primeira Grande Guerra.


II-Parte - Questões Objetivas

1 – Considerando a influência do Imperialismo no contexto da Primeira Guerra (1914-1918), podemos apontar que são fatores que o justificam, EXCETO:


a) a necessidade de controlar regiões produtoras de matérias-primas essenciais à indústria capitalista.
b) a ideologia da superioridade racial dos povos europeus que levariam aos “povos atrasados” os benefícios da civilização superior.
c) a conquista de pontos estratégicos para defesa de colônias existentes ou da própria metrópole.
d) a necessidade de exportar capitais para áreas pobres do mundo, no sentido de ajudá-las a superar seu atraso econômico.
e) a retração dos mercados europeus, após a crise que impulsionou a Europa e EUA a buscar mercados consumidores.


2 - Através de acordos as principais nações européias reconheceram a autonomia do Marrocos. Em abril de 1914, a França e a Inglaterra estabelecem bilateralmente a chamada “Entente Cordiale”, através da qual a Grã-Bretanha teria total liberdade de ação no Egito, enquanto à França era entregue o Marrocos. Pelo exposto, é CORRETO afirmar que, no período em questão:


a) habitualmente os interesses dos povos dominados representavam um fator de peso nas decisões tomadas pelas nações imperialistas.
b) apesar dos dispositivos de caráter internacional, a ação política das potências antes da Primeira Guerra era norteada pela força e pelo arbítrio.
c) era comum que os atritos entre os países europeus fossem superados através de uma arbitragem imparcial e inquestionável.
d) tornou-se fundamental garantir a ordem internacional, deslocando-se o poder para os Estados Unidos, país alheio aos problemas europeus.
e) a existência de um organismo supranacional possibilitou que os princípios do direito internacional fossem efetivamente respeitados.


3 - O Imperialismo, ocorrido no séc. XIX, tinha como objetivos, EXCETO:
a) desenvolver o capitalismo industrial.
b) garantir mercado consumidor.
c) buscar matérias-primas básicas na África e Ásia.
d) não exercer o domínio político e econômico na África e na Ásia.


4 - A expansão neocolonial do final do século XIX pode ser associada a:
a) busca de novas oportunidades de investimentos lucrativos para o capital excedente nos países industriais.
b) atração pelo entesouramento permitido pela conquista de regiões com jazidas de metais preciosos.
c) necessidade de expansão da influência da Igreja Católica frente ao aumento dos seguidores da Reforma.
d) divisão internacional do trabalho entre produtores de matérias primas e consumidores de produtos industrializados.


5) Qual é o objetivo das Alianças Militares formadas no contexto da “Paz Armada”?


a) garantir mercados consumidores e fornecedores de matéria prima.
b) era garantir maior poder bélico e político, para contra atacar países rivais e também para defender países aliados.
c) exercitar o poder político e econômico na África e Ásia.
d) apaziguar os atritos entre os países europeus através de uma arbitragem imparcial e justa.
e) criar uma série de determinações, visando enfraquecer o poder das potencias imperialista na Europa.



6) Assinale o fato que serviu de estopim para deflagrar a Primeira Guerra Mundial.


a) A assinatura do Tratado de Versalhes que tinha por base culpar os alemães pela corrida armamentista.
b) O revanchismo francês que não conseguiu superar a perda de territórios da Alsácia e Lorene para a Alemanha.
c) A deposição do czar da Rússia em virtude da Revolução Russa provocou revolta e reação dos demais paises europeus.
d) Em 28/6/1914, o arquiduque Francisco Ferdinando foi assassinado por um grupo de terroristas intitulado “Mão Negra”.
e) O forte temor dos Estados Unidos em perder seus investimentos na Europa devido a ascensão da Alemanha.


7) A 1ª Guerra Mundial abalou as estruturas do mundo no inicio do século. O conflito era pressentido nos anos que o antecederam. Quais fatos indicavam que a guerra era inevitável?


a ) A política de alianças, o socialismo a disputa por mercados consumidores.
b ) O assassinato de Francisco Ferdinando, a política de alianças, a crise do capitalismo em 1929.
c ) A corrida armamentista, a política colonial e a disputa por mercados consumidores.
d ) A corrida armamentista, o nacionalismo e a crise do capitalismo em 1929.
e ) A corrida armamentista, a política de alianças, o revanchismo entre as nações e a disputa por mercados consumidores.


8) Quais os dois acontecimentos que definiram o desfecho da guerra a partir de 1917 ?


a) A saída da Rússia e entrada dos Estados Unidos no conflito.
b) A propagação do conflito as demais nações do globo e entrada dos Estados Unidos no conflito.
c) A saída da Rússia e a entrada da Itália no conflito.
d) A propagação dos ideais republicanos na França e a entrada dos Estados Unidos na guerra.
e) Os Estados Unidos retiram-se do conflito devido ao processo revolucionário que acontecia na Rússia e a guerra Fria.


9- Ao final da Guerra podemos afirmar que:
a) Os EUA consolida-se como grande potencia mundial e o enfraquecimento das antigas potencias européias.
b) A Rússia consolida-se como superpotencia européia devido a Revolução Russa e rivaliza com os EUA o poderio militar mundial.
c) A Alemanha apesar de ter perdido a guerra ainda matem sua condição de império e a Inglaterra perde suas colônias na África.
d) O mapa político da Europa é pouco modificado em virtude da manutenção da antiga ordem colonial.
e) O Tratado de Versalhes representou um justo acordo entre vencidos e vencedores.






Decifrando o enigma, as respostas são:1-d;2-b;3-d;4-a;5-b;6-d;7-e;8-a;9-a


Respostas das questões abertas:


1- Foi a corrida armamentista empreendida pelos blocos militares com a hipócrita justificativa que era em defesa da paz.


2- A disputa por mercados entre as potencias coloniais européias foi o motivo principal embora não foi o único, pois as potências européias necessitavam de fornecedores de matéria prima para suprir suas indústrias e de mercados consumidores para os seus produtos industrializados.


3-Neocolonialismo é o processo de dominação política e econômica da potências capitalistas sobre determinada nação, pricipalmente na África e Ásia. (No caso no contexto do período em questão)Imperialismo é a política de expansão e domínio territorial e/ou cultural e econômico de uma nação sobre outra.


4-Guerra de Movimento e a Guerra das Trincheiras ou estacionária.
- A Guerra de movimento foi caracterizada pelo avanço das tropas e conquista de territórios, esta estratégia foi resposável por elevadas baixas em ambos os lados em virtude do uso de armamentos como a metralhadora, tanques e canhões de longo alcance.

- A Guerra nas Trincheiras foi o período de desgaste mas que não diminuiu o índice de mortes. As trincheiras foram apontadas como importante foco de proliferação de doenças, como foi o caso da gripe espanhola que vitimou milhões de pessoas em todo mundo e matou tanto quanto a guerra.


5-Os EUA lucravam muito com a guerra, pois eram os responsáveis pelo fornecimento de armas, suprimentos de alimentos e empréstimos financeiros principalmente aos ingleses e franceses. A saída da Rússia do conflito, em virtude da Revolução Russa, deu a Alemanha uma vantagem que poderia decidir a guerra a seu favor. A vitória alemã representaria um enorme prejuízo aos EUA, pois se isso ocorresse os empréstimos financeiros concedidos aos ingleses e franceses estariam perdidos. A fim de não correr risco com a eventual vitória da Alemanha, os EUA resolveram apoiar a Entente, fato que definiu os rumos do conflito a favor dos aliados.

6- As principais foram:
- 14 Milhões de vítimas entre mortos e feridos.

- Arrasou as economias das principais nações européias.

- Modificou o mapa geopolítico da Europa em virtude do fim dos impérios alemão, otomano e austro-hungaro.

- Elevou e credenciou os EUA a condição de potência mundial.

- Acirrou os ânimos entre vencidos e vencedores que não procuravam uma paz duradoura, mas uma guerra duradoura.

segunda-feira, 8 de junho de 2009

Exercício de fixação: Estado Novo

O OBJETIVO DESTE EXERCÍCIO É TESTAR SEUS CONHECIMENTOS. FAÇA ANTES UMA LEITURA SOBRE O ASSUNTO, DEPOIS RESPONDA AS PERGUNTAS. APENAS CONSULTE O GABARITO COM AS RESPOSTAS NO FINAL DESTA PÁGINA, APÓS RESPONDER TODAS AS QUESTÕES.

1- Sobre o Estado Novo pode-se dizer que os traços marcantes foram a implantação da ditadura; a criação do Departamento de Imprensa e Propaganda (DIP); a formação do Ministério do Trabalho e o controle do movimento sindical através da estrutura corporativista; a construção do trabalhismo enquanto modelo de atuação varguista, elevando Getúlio à condição de líder, guia, estadista e "pai dos pobres". (Mackenzie-SP/2004) Getúlio Vargas pôde, em 1937, inaugurar um novo governo, conhecido como Estado Novo. Sobre esse período, é correto afirmar que:


A) era caracterizado pelo exercício da democracia e das liberdades civis, em repúdioàs idéias comunistas que ameaçavam a nação, dada a intenção desses grupos revolucionários de chegar ao poder por meio de um golpe.
B) diante da ameaça comunista, o Parlamento, as Assembléias Estaduais, assim como as Câmaras Municipais, passaram a legislar e a intervir em diversos assuntos da política nacional.
C) ocorreu a imposição de uma Constituição autoritária, influenciada pelas doutrinas fascistas que vigoravam em algumas nações européias, o que representou o início de um período de ditadura.
D) dentro do novo regime, graças à subordinação das corporações sindicais ao Estado, que passou a controlar a ação dos trabalhadores, houve a conquista de direitos trabalhistas, resultado da boa vontade das elites empresariais.
E) a conjuntura econômica internacional contribuiu para a consolidação do Estado Novo, que, diante da crise que ainda persistia no setor cafeeiro, aumentou o seu papel interventor,buscando solucionar o problema das exportações nacionais.

2- Ao mencionar questões sobre política trabalhista invariavelmente realizamos uma conexão com o governo Vargas. (Mackenzie-SP/2000) Sobre a política trabalhista do Estado Novo é correto afirmar que:

A) autorizava a greve e não se inspirava na Carta Del Lavoro, vigente na Itália fascista.

B) embora sendo reconhecidos os benefícios sociais do salário mínimo, da Justiça do Trabalho e da CLT, Vargas manipulava as lideranças sindicais e as relações com o Estado eram caracterizadas pelo paternalismo e pelo intervencionismo.

C) nesse período vigorou um sindicalismo autêntico, livre da figura do “pelego” ou líder sindical manipulado pelo Estado.

D) a criação do imposto sindical trouxe enormes vantagens sociais, não representando um instrumento de subordinação ao Estado.

E) Vargas procurou manter uma postura liberal, não interferindo nas relações capital e trabalho.

3- Ao mesmo tempo em que concedia aos trabalhadores uma série de leis trabalhistas, Getúlio Vargas controlava os sindicatos dando-lhes configurações meramente assistencialistas e recreativas. (UECE-CE/2001) São características da legislação trabalhista estabelecida no período Vargas:

A) A instituição do imposto sindical e a universalização dos direitos trabalhistas e políticos aos trabalhadores urbanos e rurais.

B) O enquadramento dos sindicatos e a concessão de direitos sociais aos trabalhadores urbanos.

C) A incorporação dos trabalhadores rurais à legislação do trabalho e a plena liberdade sindical.

D) O controle dos sindicatos de trabalhadores e o fim dos direitos sociais, como as férias anuais remuneradas.

4- Na casa do beato Pedro Batista em Santa Brígida, na Bahia, D. Pedro II divide um espaço na parede com Getúlio Vargas. Este exemplo caracteriza um tipo de idealização da figura de mitos que ficaram sedimentados na memória popular. Podemos afirmar que Getúlio Vargas potencializou uma imagem de "pai dos pobres", em grande parte devido às(aos):

A) As medidas de caráter populista, atraindo as massas trabalhadoras.

B) medidas revolucionárias introduzidas com a reforma agrária.

C) restrições econômicas impostas aos industriais brasileiros.

D) restrições rígidas impostas à burguesia nacional e internacional.

E)discursos ufanistas disseminados entre os camponeses brasileiros.

5- (UFBA-BA/2000) “O primeiro carnaval institucionalizado do Estado Novo teve como vencedora a Estácio de Sá (Escola de Samba) que, cumprindo as regras estabelecidas pelo DIP (Departamento de Imprensa e Propaganda), trouxe para as ruas um enredo de fundo histórico e nacional, repleto de referências aos heróis da monarquia brasileira. Entendido como mais uma exigência a ser cumprida para vencer a competição anual – como harmonia, adereços, bateria etc. – aparecia o novo quesito do conhecimento histórico.” (Cunha, Maria Clementina Pereira. “Folcloristas e historiadores no Brasil: pontos para um debate” In: Projeto História, São Paulo, (16), fev. 1998, p. 176).

O Trecho acima revela a influência do Estado Novo em uma das mais notáveis manifestações culturais brasileiras, o carnaval. Sobre a política cultural do Estado Novo, pergunta-se: Qual o papel desempenhado pelo DIP (Departamento de Imprensa e Propaganda) no período do Estado Novo?

I- Forte intervenção no processo de industrialização.

II- Divulgar as ações do governo e exaltar a imagem de Vargas.

III- Propagandear a cultura nacional, usada para legitimar o governo varguista.

IV- impunha a censura política, controlava jornais, teatro e rádio.

V- Promover e fomentar as atividades econômicas.

Marque a opção correta:
A) Todas as alternativas estão corretas.
B) Somente as alternativas I e IV estão corretas.
C) As alternativas IV e V estão corretas.
D) As alternativas I,III, IV e V estão corretas.
E) As alternativas II,III e IV estão corretas.

6-Os integralistas acreditavam que teriam apoio de Vargas para tomar o poder. Mas, Getúlio proibiu a existência legal da Ação Integralista Brasileira (AIB). Traídos, os integralistas tentaram derrubar o presidente e saíram derrotados. A qual período da Era Vargas e como denominou-se este episódio ?


A)Revolução de 30. A Intentona Integralista

B)Governo Provisório. A Intentona Integralista.

C)Governo Constitucional. A Intentona Comunista.

D)Estado Novo. A Intentona Integralista

E)Governo Provisório. A Intentona Comunista

RESPOSTAS: 1-C/2-B/3-B/4-A/5-E/6-D

domingo, 31 de maio de 2009

Lista de Exercícios

Esta lista de exercícios foi elaborada com base na apostila sobre a Era Vargas. O objetivo é lhe propiciar a exercitar seus conhecimentos sobre o assunto. Leia a apostila e posteriormente responda as questões. Bom estudo!


1- Como ficou conhecida a Revolução de 30 ?

2- Sabemos que o movimento conhecido como Revolução de 30 possuía 2 objetivos e um denominar comum entre os grupos que dela participaram. Explique.

3- A Revolução de 30 representou perdas e ganhos aos paulistas. Explique, quais foram as perdas e ganhos de São Paulo?

4- Sobre a Revolução de 30 a qual conclusão chegamos ?

5- A Era Vargas é dividida em fases. Aponte quais foram as fases da Era Vargas?

6- Quais as características do período denominado Governo Provisório?

7- A Revolução Constitucionalista 32, pela ótica dos paulistas não representou uma derrota total. Explique.

8- A constituição de 34 representou a adoção melhorias em alguns aspectos. Quais foram estas melhorias?

9- Durante o Governo Constitucional, Vargas convivia com 2 grupos políticos antagônicos. Quais eram estes grupos e suas características?

10- Defini-se que a Intentona Comunista como uma tentativa fracassada de golpe dos comunistas da ANL contra Vargas. Podemos afirmar que a Intentona Comunista foi útil a Vargas? Explique.

domingo, 15 de março de 2009

Quem fez a República no Brasil?

A Formação da República.
(Este tema foi atualizado com nova redação na publicação de abril de 2011, confira)

O período da Proclamação da República de 1889 à Revolução de 1930, tradicionalmente é denominado de República Velha. Contudo nos últimos anos, o termo vem sendo gradualmente substituído por Primeira República, porém, as interpretações sobre o período não sofreram alterações significativas.

Primeira Bandeira da República. Criada por Ruy Barbosa foi usada de 15 a 19 de novembro de 1889 para repreentar o pavilhão dos Estados Unidos do Brasil.






Charge simbolizando os novos tempos: A República chegou, mas será que melhorou a vida da população?


Novos Tempos , novos atores e nenhuma mudança.


Nas últimas décadas do século XIX o regime monárquico viveu um processo constante de crise, refletindo o surgimento de novos interesses no país, associados a elite cafeeira, aos militares, às camadas urbanas e aos imigrantes, sendo que estes últimos representavam a nova força de trabalho. O movimento que eliminou a monarquia no país foi comandado pelo exército, unido à elite agrária, particularmente os cafeicultores do oeste paulista. Esta elite, há duas décadas organizaram um partido político, o PRP - Partido Republicano Paulista - que defendia o ideal republicano, o fim da escravidão e o federalismo que garantiria a autonomia estadual. Foi desta maneira que a elite cafeeira procurou conquistar o apoio dos setores urbanos, de diferentes classes sociais e das elites regionais. A História da República brasileira é recheada de fases. Nos primórdios republicano os presidentes eram militares e por isso esta fase ficou conhecida como a República da Espada, depois consolidou-se a República das Oligarquias, título que firmou-se no processo histórico republicano. Os presidentes eram representantes das elites e davam de costas às carências da população. Através de mecanismos de manutenção do poder implementa-se a chamada “política dos governadores”, um federalismo peculiar, baseado em alianças e trocas de favores políticos. Essa política favorecia a consolidação das oligarquias regionais. O povo, principalmente do interior, estava submetido ao "coronelismo e ao banditismo". A impunidade e a fraude política marcaram esse período. Além dos coronéis, havia também a "Comissão de Verificação", para garantir o resultado favorável nas eleições. O voto não era secreto e a maioria dos eleitores estava sujeita à pressão dos chefes políticos locais (os coronéis). A República brasileira era dominada por diversas oligarquias estaduais, principalmente de São Paulo, Rio Grande do Sul e Minas Gerais.













Quadro de Bendito Calixto pintado em 1893 retrata a cena da proclamção no Campo de Santana, no Rio de Janeiro.

Mas afinal quem fez a República no Brasil?

Parte da resposta está na imagem acima, retratada por Benedito Calixto. O olhar mais atento da cena constata-se a ausência de um personagem essencial. Então, já descobriu o grande ausente? Certamente a conclusão que chegamos é que a população mais desasistida não foi convidada para participar desta "festa da elite" e quando entrou foi pela porta dos fundos. Por sinal durante grande parte da história republicana nacional o povo de baixa renda esteve excluído do processo decisório político. Como foi possível esta exclusão do povo? Através de mecanismos com a "política dos governadores", da "política do café com leite", da "comissão de verificação", o coroneismo e seus adereços o voto de cabresto, as fraudes eleitorais. As oligarquias montaram uma estrutura de poder que atendia aos interesses das nossas elites e afastava parcelas significativas da população que eram chamadas ao processo apenas na ocasião das eleições para validar a República Democrática através do voto. Devido a este esquema, somente a minoria da população, as oligarquias, era atendida em suas reivindicações. O povo brasileiro estava cada vez mais marginalizado e, portanto, era vítima da exclusão política e social. A insatisfação com o regime republicano ficou patente com o passar dos anos e muitos dos excluídos sentiram-se traídos pelas promessas republicanas e não foram poucos os movimentos de contestação da ordem. Diversas revoltas ocorreram no campo ou nas cidades. Como exemplos significativos, podemos citar: a Revolta de Canudos, o fenômeno do Cangaço, o Contestado, a Revolta da Vacina e a Revolta contra a Chibata.


AS REVOLTAS SOCIAIS NA PRIMEIRA REPÚBLICA.

A visão do estrangeiro sobre as revoltas.
A revolta de Canudos (1895-97), a (1904 Revolta da Vacina) e do Contestado (1912-16) repercutiram no Exterior como movimentos contrários, respectivamente, à República Brasileira, ao saneamento do Rio de Janeiro e à implantação de uma ferrovia na Região Sul. Assim sendo, foram vistas pelos países estrangeiros como ocorrências de caráter retrógrado, que poderiam dificultar a modernização do Brasil e seu maior entrosamento com o capital internacional, na qualidade tanto de mercado consumidor como de exportador de matérias-primas. A versão de que as revoltas sociais atrasavam o desenvolvimento do país veiculada pela imprensa da época e durante muito tempo constou nos livros de História. Porém uma releitura destes movimentos sociais trazem uma nova interpretação, colocando os movimentos reividicatórios como um enfretamento dos desassitidos à polítca

Coronelismo Coronelismo e Messianismo. Em 1934 morria em Juazeiro do Norte (Ceará) um "messias", também perseguido pela Igreja Católica, porém, ao contrário de Antonio Conselheiro (Bahia), o Padre Cícero Romão Batista era um aliado dos coronéis do Vale do Cariri, que a partir de 1912 lutaram contra a política de intervenções do governo federal e derrubaram o governador. A seguir vamos detalhar como estes episódios fizeram parte do cenário da Primeira República.

O MESSIANISMO
Considera-se como movimento messiânico, aquele que é comandado por um líder espiritual, um "messias", que a partir de suas pregações religiosas passa a arregimentar um grande número de fiéis, numa nova forma de organização popular, que foge as regras tradicionais e por isso é vista como uma ameaça a ordem de poder constituída ou seja atinge os interesses dos líderes políticos locais - os coroneis. Esses movimentos tiveram importância em diversas regiões do país; no interior da Bahia em Canudos, liderado pelo Antonio Conselheiro, em Juazeiro do Ceará, liderado pelo Padre Cícero, no interior de Santa Catarina e Paraná, liderado pelo beato João Maria. Como o messianismo foi possível ? Devido a algumas condições objetivas como a concentração fundiária, a miséria dos camponeses e a prática do coronelismo, e por condições subjetivas como a forte religiosidade popular e a ignorância. Os grandes grupos sociais (a massa popular miserável) que acreditaram nos messias e os seguiram, procuravam satisfazer suas necessidades espirituais e ao mesmo tempo materiais.

O CORONELISMO
Após a Proclamação da República, a maior autonomia dada aos Estados, ajuda a desenvolver o coronelismo. O coronel era o chefe político local, grande proprietário de latifundio, que utilizava-se de jagunços e agregados para manter e ampliar seus "currais eleitorais", influenciando a vida política municipal e estadual. O prestígio político do coronel era medido pela quantidade de votos que controlasse ou seja o “voto de cabresto”. Havia ainda as disputas entre os coronéis, envolvendo as contendas por terras ou pelo controle político da região e no Estado.



AS REVOLTAS SOCIAIS RURAIS.

O CANGAÇO
Entre o final do século XIX e começo do XX (início da República), surgiu, no nordeste brasileiro, grupos de homens armados conhecidos como cangaceiros. Estes grupos apareceram em função, principalmente, das péssimas condições sociais da região nordestina. O latifúndio, que concentrava terra e renda nas mãos dos fazendeiros, deixava as margens da sociedade a maioria da população. Portanto, podemos entender o cangaço como um fenômeno social, caracterizado por atitudes violentas por parte dos cangaceiros, mas não somente por este prisma, como nos ensina o professor Júlio Chiavenatto ao desmistificá-los, mostrando que "o Cangaço é um sistema de luta de classes que se processava no Nordeste. Só que o cangaceiro não tinha consciência social e o Cangaço acabava sendo simplesmente uma reação à miséria que não se resolvia de forma racional, se resolvia pela violência. (...) O cangaceiro não tem nenhum fim social na sua luta, ele não busca posse de terra e a justiça social, ele luta simplesmente pela sua sobrevivência e o Cangaço passa a ser um meio de vida."
Cangaceiros andavam em bandos armados, espalhavam o medo pelo sertão nordestino. Possuíam uma vida nômade, ou seja, viviam em movimento, indo de uma cidade para outra. Ao chegarem nas cidades pediam recursos e ajuda aos moradores locais. Aos que se recusavam a ajudar o bando, sobrava a violência. Promoviam saques a fazendas, atacavam comboios e chegavam a seqüestrar fazendeiros para obtenção de resgates. Aqueles que os respeitavam e acatavam as ordens dos cangaceiros não sofriam, pelo contrário, eram muitas vezes ajudados. Esta atitude de ajudar, fez com que os cangaceiros fossem respeitados e até mesmo admirados por parte da população humilde da época que os consideravam a única forma de obter justiça.
Por não seguirem as leis estabelecidas pelo governo, eram perseguidos constantemente pelos policiais (os macacos). Existiram diversos bandos de cangaceiros. Porém, o mais conhecido e temido da época foi o comandado por Lampião (Virgulino Ferreira da Silva), também conhecido pelo apelido de “Rei do Cangaço”.

A GUERRA DE CANUDOS.                                                                                                   No sertão da Bahia, no final do século XIX, travou-se a Guerra de Canudos, uma das mais sanguinárias revoltas populares da história brasileira. Movimento de cunho religioso, adquiriu coloração política, passou a ser considerado subversivo pelo governo e se alastrou em áreas socialmente carentes e miseráveis. Canudos era um arraial do interior da Bahia, área isolada e de difícil acesso. Na região se instalou a partir de 1893 o beato Antônio Vicente Mendes Maciel, o Antônio Conselheiro. Antes, o beato percorrera o sertão pregando transformações, profetizando o fim do mundo e despertando a ira das autoridades e do clero católico, que o consideravam e a seus seguidores uma ameaça ao establishment. Conselheiro comandou uma queima de editais de cobrança de impostos e, em seguida, refugiou-se com seus adeptos em Canudos. A partir daí, seu exército, uma grande massa de pobres e maltrapilhos, só cresceu, chegando a uma população de 30 mil pessoas. “A República tinha medo da idéia socialista em plena caatinga, contra o poder do coronel e o latifundiário” Esta afirmação está inevitavelmente associada ao porquê o poder da elite temia o Conselheiro. Ao chegar do alto da colina e abrir os braços, disse “É aqui” , Conselheiro não fundou somente um arraial, começou ai o sistema igualitário, com a distribuição dos bens; recebendo famílias de todas as partes do Brasil. Isto era extremamente temerário para os líderes políticos locais. Conselheiro estabeleceu uma comunidade de natureza socialista, em plena caatinga nordestina, baseada nos anseios das massas camponesas, mais influenciado também pelas idéias do cristianismo primitivo. Entretanto mesmo que suas atitudes fossem socialistas o Conselheiro jamais ouvira falar das bases teóricas da Obra de Karl Marx. Ao mesmo tempo, Conselheiro desenvolveu uma das primeiras experiências socialistas no mundo: em Canudos, cada família entregava metade de suas posses para o conjunto da comunidade, mantinha roças e criações familiares, vivia desse trabalho e sustentava os desvalidos que iam chegando. Conselheiro seguia princípios da igreja católica e impunha regras religiosas rígidas a seus seguidores, obrigados a rezar terços todas as noites. A perseguição à comunidade aumentou após relatório de frades capuchinhos que apontavam Conselheiro e seus beatos como adeptos de seita político-religiosa lastreada em superstições e fanatismo. Aos poucos, o movimento adquiriu caráter de oposição à República instalada anos antes no país. O governo do estado começou a despachar tropas para destruir o arraial e estas eram irremediavelmente dizimadas pelo bando de beatos. Mas, a morte de um coronel do Exército mudou o curso dos combates. Em 1897, na quarta incursão de tropas governamentais à região, os militares incendiaram Canudos, mataram toda a população e degolaram os prisioneiros. A Guerra de Canudos deu origem a um dos clássicos da literatura brasileira, o livro Os Sertões, de Euclides da Cunha.
(Este tema foi atualizado com nova redação na publicação de março de 2010, confira)