quarta-feira, 27 de novembro de 2013

IMPÉRIO ISLÂMICO - Resumo


Unidos em nome de Alah, em pouco mais de um século, o Islamismo ou Islã surgiu e originou uma das mais ricas culturas da humanidade, marcando profundamente as regiões em que se estabeleceu.

INTRODUÇÃO

Antes de iniciarmos a abordagem sobre o Império Islâmico, cabe fazer algumas considerações oportunas. Em primeiro lugar, sobre a utilização do termo "árabe". Tornou-se senso comum, embora seja equivocado, denominar tudo que se refere ao islamismo como árabe. Decerto, que a expansão islâmica iniciada no século VII e que alcançou 3 continentes está associada aos árabes, mas o islamismo não foi e não é exclusivamente formado pelos habitantes da península Arábica, ou seja, as tribos semitas embriões do Império Islâmico que empreenderam esforços para a propagação do Islã. Devemos lembrar que atualmente o país detentor do maior número de adeptos do Islamismo é a Indonésia, uma nação que não é árabe e não está situada no Oriente Médio. Assim como a população do Oriente Médio não é formada somente de árabes, o Irã é um país islâmico cujo povo não é de origem árabe, e sim de origem persa. O idioma árabe não possuí unanimidade no Oriente Médio, na Turquia a língua oficial é o turco, no Irã é o persa e em Israel o hebraico. Da mesma no Ocidente tem-se acentuado o esteriótipo, após o episódio do 11 de setembro, através de perversa campanha associando o terrorismo aos árabes. Observemos como esta região é culturalmente rica e antropologicamente complexa a ponto de não merecer reducionismos estereotipados como justificativas veladas para o Ocidente impor seu domínio. Isto posto vamos tratar dos primórdios da civilização islâmica.



Trecho do Alcorão, o livro sagrado do Islã
Imagem da peregrinação à Meca. No centro encontra-se a Caaba






















ORIGENS

O desenvolvimento do processo histórico que formou a civilização árabe inicia-se no século VII, na península Arábica, com as tribos de origem semita que compartilhavam algumas características comuns, como por exemplo a linguagem oral. Estas tribos eram distribuídas em dois grupos: urbanas e beduínas. As urbanas chefiadas por xeiques (sheiks), geralmente situadas no litoral, tinham como principal atividade o comércio servindo de entrepostos nas rotas mercantis como destaca-se as cidades de Meca e Iatreb (atual Medina).
As tribos beduínas,  localizadas no deserto eram  nômades e dedicavam-se a criação de camelos, ao pastoreio e ao cultivo da agricultura (tâmara e do trigo). Invariavelmente os beduínos estavam em movimentação em busca de locais férteis produzir o seu sustento.
Embora compartilhassem de traços culturais comuns frequentemente as tribos estavam envolvidas em conflitos e guerras, situação que prejudicava a atividade mercantil. Mas um homem irá mudar tudo isso, sua mensagem irá ecoar por toda a região e promover uma união improvável das tribos, seu nome: Maomé ou Muhammad, (significa louvável) aventureiro, mercador de caravanas e profeta do Islã.
A religião pré-islâmica era politeísta e animista (cultuavam ídolos e objetos inanimados) o centro religioso mais importante era Meca, local de peregrinação que abrigava o templo da Caaba, em forma de cubo que continha os ídolos e a pedra negra considerada sagrada. Todos os anos milhares de beduínos e mercadores visitavam o santuário de Meca, trazendo muito lucro para os administradores da cidade, a aristocracia dos coraixitas, que detinham o controle político, logo enriquecia com as peregrinações e com a atividade comercial realizada em Meca. Entretanto a atuação de um homem mudará bastante este cenário, seu nome: Maomé.


Imagem acima ilustra como o fiel muçulmano deve realizar o ritual das orações. Rezar todos os dias é um dos pilares do Islamismo.



O PROFETA MAOMÉ


Maomé ou Muhammad nasceu pobre, tornou-se mercador ainda adolescente e aos 25 anos casou-se com uma viúva rica e mais velha. O casamento trouxe-lhe estabilidade financeira permitindo a Maomé realizar inúmeras viagens e ter contato com outros povos e as culturas principalmente a cristã e a judaica. Aos 40 anos passou a ter visões do anjo Gabriel (o mesmo que anunciou a Maria que seria ela a mãe de Jesus) e acreditava ter ouvido sua voz. Os chamados que Maomé recebia o apontavam como o profeta de um único Deus, Alá (Alah). As pregações de Maomé passaram a ser aceitas e trouxe-lhe adeptos da crença no monoteísmo fortalecendo ainda mais suas convicções na catequização da população e a sua missão de profeta para combater e eliminar os ídolos tribais da religião politeísta. Foram nestas bases o princípio que moldará a religião islâmica. Seus ensinamentos do Islã foram compilados no Alcorão (ou Corão) que tornou-se o livro sagrados dos muçulmanos.
Entretanto nem tudo eram flores, a atitude de Maomé em combater os ídolos da Caaba provocou a ira dos ricos comerciantes de Meca que perceberam na pregação da nova religião uma ameaça ao rentável comércio dos peregrinos que visitavam a cidade para reverenciar os deuses no templo da Caaba.   Perseguido pelos inimigos, Maomé foge para Yatreb - atual Medina (significa "cidade do profeta") em 622. Este episódio, ficou conhecido como Hégira, correspondendo ao início do calendário islâmico. Em Medina, Muhammad conseguiu milhares de adeptos, transformando-se num poderoso líder político, religioso e militar. A ponto de reunir seus seguidores em um exército para tomar Meca e propagar a nova religião através da guerra religiosa (Jihad). Em 630 Meca é conquistada pelo exército de Maomé, os ídolos da Caaba são destruídos e os opositores mortos. Meca foi declarada cidade sagrada do Islamismo. O feito de unificar as tribos árabes em torno de um poder centralizado e de uma mesma religião em tão pouco tempo foi considerado como um sinal da intervenção de Alá através do seu profeta, Maomé. Daí a importância e reverência dos muçulmanos ao seu profeta ser inabalável e inquestionável, mesmo após a sua morte em 632.


A direita a foto das inscrições feitas a ouro na porta da Caaba, em Meca, a cidade sagrada do Islamismo.




A Esquerda um mapa antigo mostrando a Caaba como o centro do mundo islâmico 
















A EXPANSÃO DO IMPÉRIO

Quando Maomé  faleceu as tribos já estavam unificadas politicamente e sob uma mesma religião,o Islã, estas condições favoreceram  as perspectivas de crescimento territorial. A administração passou para as mãos dos califas que concentravam o poder político, religioso e militar. Além das condições político/religiosa pode-se afirmar que as causas da expansão foram:
* A necessidade de terras férteis;
* O espírito empreendedor dos grandes comerciantes que tinham interesses em expandir o comércio
* A explosão demográfica
* A crença na morte lutando pelo islamismo como uma possibilidade de salvação contribuiu para que os exércitos se engajassem na conquista militar contra povos vizinhos.

Através das guerras o império Islâmico ganhou territórios e fortaleceu seu poder, os califas inicialmente conquistaram os povos do Oriente Médio (Síria, Palestina, Pérsia e Egito). Embora dominados os povos não eram obrigados a conversão ao Islã e podiam manter sua própria religião, desde que pagassem impostos por não serem muçulmanos o que de certa forma forçava indiretamente a conversão dos conquistados ao islamismo.
O período da Dinastia dos Omíadas (661 a 750) foi especialmente importante no que diz respeito ao crescimento da área do império, pois avançou para a conquista do norte da Índia (atual Paquistão e Afeganistão) e  no norte da Árica. O ápice do processo expansionista ocorreu quando os árabes cruzaram o Estreito de Gibraltar e conquistaram a Península Ibérica (Espanha e Portugal) onde permaneceram por quase 800 anos. O avanço sobre o continente europeu  foi contido em 732, na batalha de Poitiers, vencida pelos francos, atribuindo a estes a façanha de ter evitado a propagação do Islã na Europa.
A máxima extensão do império foi obtida durante o período da Dinastia Abássida (750 a 1258) tendo como capital Bagdá e centro das rotas de comércio entre o Ocidente e o Oriente. Contudo o esplendor foi passageiro tanto que na fase final da dinastia intensificaram-se os conflitos políticos e religiosos destroçando o império em vários califados independentes, quebrando assim a unidade política e a provocando a degradação da coesão religiosa a partir do surgimento de duas correntes opostas: os xiitas e os sunitas - que ainda na atualidade possuem e mantêm fortes divergências religiosas dentro do Islamismo.
Desta forma, com o poder político enfraquecido os abássidas foram derrotados sucessivamente pelos mongóis, pelos turcos-otomanos e pelos espanhóis que reconquistaram o último reduto islâmico na Europa expulsando-os definitivamente.




Imagem retratando a expansão do Islamismo que abrangia três continentes.


O LEGADO DA CULTURA ISLÂMICA.

A cultura islâmica, cuja primogenitura foi dos árabes, deixou marca indelével por onde passou e nas diversas áreas do conhecimento.

* Arquitetura: Criaram os arabescos, baseava-se nas tradições árabes, persas e dos turcos.
* Ciências: Astronomia (traduziram a obra de Ptolomeu). Na matemática foram os criadores dos números arábicos, da álgebra e desenvolveram a geometria. Na química produziram o álcool e outros compostos.
*Literatura; influenciado pela tradição persa em lendas e contos escreveram "As mil e uma noites" entre outros.      
  



      

REPOSTAS EXERCÍCIO SOBRE ISLAMISMO

RESPOSTAS REFERENTES  À ATIVIDADE SOBRE ISLAMISMO (CAP 18 PAG. 168)                                                                   

1- AS ATIVIDADES ECONÔMICAS DOS HABITANTES DA PENÍNSULA  ARÁBICA  ERAM REALIZADAS POR INTERMÉDIO DAS CARAVANAS QUE ATRAVESSAVAM A REGIÃO EM DIREÇÃO À PALESTINA E A SÍRIA.  CIDADES SURGIRAM E ENRIQUECERAM GRAÇAS AO COMÉRCIO.

2- AS CARAVANAS NÃO APENAS TROCAVAM  MERCADORIAS, TAMBÉM PROMOVIAM O INTERCÂMBIO DE IDEIAS, NOTÍCIAS E HÁBITOS CULTURAIS NOS LUGAREM ONDE PASSAVAM. O CONTATO COM OUTRAS CULTURAS E CRENÇAS RELIGIOSAS ( ZOROASTRISMO, JUDAÍSMO E CRISTIANISMO) PROMOVERAM UM VASTO SINCRETISMO RELIGIOSO, OU SEJA DESENVOLVERAM HÁBITOS CULTURAIS E RELIGIOSOS QUE NASCERAM DA FUSÃO DE CONCEPÇÕES RELIGIOSAS DISTINTAS.

3- A PARTIR DE ANO DE 613, MAOMÉ COMEÇOU A PREGAR NOVOS PRECEITOS RELIGIOSOS BASEADOS NAS SUAS EXPERIÊNCIAS PESSOAIS. AFIRMAVA TER RECEBIDO REVELAÇÕES DIVINAS QUE POSTERIORMENTE FORAM REGISTRADAS E REUNIDAS NO LIVRO SAGRADO DO ISLAMISMO: O ALCORÃO. MAOMÉ PREGAVA QUE SÓ EXITE UM ÚNICO DEUS, ALÁ, E QUE A NOVA RELIGIÃO SERIA O ISLÃ QUE SIGNIFICA “SUBMISSÃO A DEUS”. OS PILARES DO ISLAMISMO SERIAM: ACREDITAR NUM ÚNICO DEUS E QUE MAOMÉ É SEU PROFETA; REZAR DIARIAMENTE VOLTADO PARA MECA; AJUDAR AOS POBRES E PRATICAR A CARIDADE; JEJUAR NO MÊS DO RAMADÃ; E PEREGRINAR PELO MENOS UMA VEZ NA VIDA À MECA.

4- MAOMÉ INVADIU MECA COM MILHARES DE ADEPTOS, MANDOU DESTRUIR TODOS OS ÍDOLOS EXISTENTES NA CAABA (UM SANTUÁRIO POLITEÍSTA) E DECLAROU MECA COMO CIDADE SAGRADA PARA OS MUÇULMANOS. A PARTIR DE MECA CONDUZIU ALGUMAS BATALHAS A REGIÕES VIZINHAS.

5- O TERMO JIHAD PODE SER TRADUZIDO COM “ESFORÇO FÍSICO, MORAL, ESPIRITUAL E INTELECTUAL EM FAVOR DE DEUS”. ISTO É O QUE ESTÁ ESCRITO NO ALCORÃO E ESTE É O SENTIDO DA  JIHAD. ENTRETANTO OUTRAS INTERPRETAÇÕES DO TERMO FORAM ADOTADAS COM O PASSAR DO TEMPO, ALGUNS CRENTES ACREDITAVAM QUE MORRER PELA FÉ E O EMPENHO NA GUERRA DE CONVERSÃO CONTRA OS QUE NÃO ADERIRAM AO ISLÃ ESTAVAM NO SENTIDO DA JIHAD. SEGUNDO ESTE INTERPRETAÇÃO, AQUELES QUE MORRESSEM LUTANDO CONTRA OS INFIÉIS SERIAM LEMBRADOS COMO HERÓIS PELOS PARENTES E TERIAM DIREITO A VIVER NO PARAÍSO, PRÓXIMOS DE ALÁ. ESTA CRENÇA INCENTIVOU A MILHARES DE ÁRABES A SE CONVERTEREM AO ISLÃ E LUTAR NOS EXÉRCITOS DE MAOMÉ.

6- MAOMÉ CONDUZIU A UNIFICAÇÃO DAS DIVERSAS TRIBOS ÁRABES DIFUNDINDO UMA RELIGIÃO MONOTEÍSTA QUE CRIOU UM FORTE SENTIMENTO DE IDENTIDADE CULTURAL A PARTIR DA FÉ NO ISLÃ. DESTA FORMA MAOMÉ CONSEGUIU E CONSTRUIU UM ESTADO ÁRABE-ISLÂMICO QUE CENTRALIZOU O PODER EM TODA PENÍNSULA ARÁBICA.

                                                                                                                                                                    7- APÓS A UNIFICAÇÃO FOI POSSÍVEL INICIAR O PROCESSO DE EXPANSÃO A PARTIR DO SÉC. VII PARA FORA DA PENÍNSULA ARÁBICA, DOMINANDO REGIÕES DO ORIENTE MÉDIO E NORTE DA ÁFRICA. A PARTIR DA DINASTIA OMÍADA OS ÁRABES AMPLIARAM SEU IMPÉRIO CONQUISTANDO A REGIÃO DO PAQUISTÃO,  AFEGANISTÃO E PARTE NO NORTE DA ÍNDIA E A PENÍNSULA IBÉRICA, NA EUROPA.  

sexta-feira, 26 de julho de 2013

Era Vargas - Estado Novo 1937 a 1945


IMPRIMIR

A ditadura imposta por Getúlio Vargas no período de 1937 a 1945 ficou conhecida como Estado Novo, correspondeu ao fortalecimento do Estado. Getúlio recebeu apoio dos cafeicultores, dos industriais, das oligarquias e da classe média urbana, todos amedrontados com a expansão da esquerda e  crescimento do comunismo. A denominada ameaça comunista construída pelo embuste do Plano Cohen reforçou a justificativa da criação do regime ditatorial que seria necessário como um instrumento de defesa da democracia contra o comunismo. Entretanto a pergunta que ninguém fez foi: Como defender a democracia da ameaça comunista utilizando o instrumento antidemocrático do regime ditatorial?  Esta foi mais uma das inúmeras contradições da Era Vargas.

Pelas ondas do rádio Vargas anuncia o Estado Novo

A Constituição de 1937, outorgada por Getúlio Vargas, e apelidada de Polaca, por ser extremamente autoritária, concentrava todo poder político nas mãos do Presidente da República. A Carta de 37 tornou-se a base legal e permitiu o fechamento do Congresso Nacional, das Assembléias Estaduais e das Câmaras Municipais, ficando o sistema judiciário subordinado diretamente ao Poder Executivo. Os Estados passaram a ser governados por interventores, nomeados pelo Presidente (na Bahia o escolhido foi Landulfo Alves) que designavam os prefeitos municipais. A atuação da Polícia Especial nunca foi tão avassaladora, os meios de comunicação passam pelo controla do poderoso DIP - Departamento de Imprensa e Propaganda.órgão responsável pela censura e propaganda do Estado Novo ( criação do programa de rádio  Hora do Brasil, atualmente A Voz do Brasil).
Vargas utilizava as mesmas estratégias de propaganda dos regimes nazifascistas.Tais como a autopromoção da imagem como líder de salvação nacional em comícios grandiosos, utilização das mídias de comunicação em massa (o rádio foi o meio de divulgação da propaganda do governo).

Em 1938, o Governo sufocou uma tentativa de golpe de estado conhecida por Intentona Integralista. Vargas percebeu que os integralistas tornaram-se aliados incômodos em virtude do seu caráter dogmático e inflexível incompatível com o estilo populista e decretou a ilegalidade do partido Integralista. Sentindo-se traidos, os integralistas partiram para o revide, planejaram uma conspiração armada visando tomar o poder de Vargas,mas a rebelião foi sufocada pelas tropas do governo. Depois de presos, muitos rebeldes foram sumariamente executados, nas imediações da residência da presidência.  

Saudação dos integralistas. A AIB atuou como aliado de Vargas, mas foram "traídos" e colocados na ilegalidade.








PASSEATA DE TRABALHADORES A FAVOR DO ESTADO NOVO
Vargas desenvolveu uma política tipicamente populista, relacionando-se com massas de trabalhadores, concedendo-lhe diversos benefícios, como o salário mínimo, indenização por dispensa sem justa causa, a regulamentação da jornada de trabalho e do trabalho infantil, decretando a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) baseada na Carta del Lavoro instituída pelo regime fascista e Mussoline. A construção da imagem de "Pai dos Trabalhadores ou Pai dos Pobres" percebe-se pela forma sutil, mas eficiente, de aproximação. Ao iniciar um discurso Vargas pronunciava o jargão: "Trabalhadores do Brasil", dando a entender a grande importância do trabalhador para o país. A propaganda institucional do governo Vargas contabilizou a seu favor esta imagem de "pai do trabalhador".



A carteira de trabalho de Getúlio Vargas

Observe a imagem acima, é a CTPS de Getúlio Vargas. A primeira impressão é que esta foi a carteira número 1, contudo é uma estratégia de marketing a fim de associar a imagem Getúlio como protetor dos trabalhadores. 
Instituída pelo decreto nº 21.175, de 21 de março de 1932 e regulamentada por outro decreto o nº 22.035, de 29 de outubro de 1932 a CTPS tornou-se o símbolo da legislação trabalhista servia na época como um atestado de boa conduta e sinônimo de honestidade ao seu portador,além de garantir direitos trabalhistas e o acesso a benefícios previdenciários. 

A dualidade de suas ações foi o traço característico da figura de Vargas, embora cultivasse a imagem de benfeitor do povo aplicava uma violenta e ostensiva repressão política. A administração da máquina estatal e a economia fluíam progressiva e crescentemente, com o Estado exercendo um poder centralizador e atuando diretamente na economia. Entre 1938 e 1940 tivemos a formação de diversos órgãos oficiais, como o Conselho Nacional do Petróleo (CNP), e o Conselho Nacional de Águas e Energia Elétrica (CNAEE), e a criação da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN).

O BRASIL DO ESTADO NOVO VAI A GUERRA:
Getúlio Vargas em razão da sua posição oscilante entre o Eixo e os Aliados viabilizou a obtenção, junto aos Estados Unidos, o financiamento para a construção da Usina de Volta Redonda, a compra de armamentos alemães e o fornecimento de material bélico americano. O Estado Novo Varguista manteve uma política ambígua em relação ao Eixo e aos Aliados - "o Brasil sé entra na guerra se a cobrar fumar", era o discurso do governo, porém os Estados Unidos pretendendo utilizar bases militares no nordeste brasileiro a fim de servirem como apoio logístico nas missões militares no norte da África, concederam ao Brasil recursos financeiros, tecnológicos e mão-de-obra especializada para a construção da CSN. 

E não é que a cobra fumou!! As circunstâncias fizeram com que o Governo se inclinasse para os Aliados, declarando guerra aos países do Eixo em agosto de 1942, com a imediata mobilização militar. Em 1943, organizou-se a Força Expedicionária Brasileira (FEB), com 25.000 soldados. Anteriormente, em 1941, foram criados o Ministério da Aeronáutica e a FAB (Força Aérea Brasileira), com as tropas brasileiras desembarcando na Itália em 1944.

A cobra fumou e o Brasil foi a guerra. Os soldados (os pracinhas) usaram a imagem da cobra fumando afixada ao uniforme. A cobra vai fumar! Era uma expressão muita usada na época, se referia a alguma dificuldade à caminho. 








                                                                                          Mascote a Força Aérea



O FIM DO ESTADO NOVO
As conseqüências da guerra refletiram-se sobre a política interna brasileira e parte da elite que apoiava a ditadura retirou publicamente esse apoio com a publicação do Manifesto dos Mineiros, em 24 de outubro de 1943. Pressionado, Vargas assinou um Ato Adicional em fevereiro de 1945 convocando eleições presidenciais para o final do ano, formando-se, então, vários partidos políticos: PSD e PTB, que lançaram a candidatura de Eurico Gaspar Dutra, e a UDN, que indicou o Brigadeiro Eduardo Gomes, além da legalização do Partido Comunista Brasileiro (PCB), que apresentou o nome de Yedo Fiúza. Entretanto, as forças políticas mais poderosas do País, civis e militares, estavam posicionados contra Vargas. A nomeação do seu irmão provoca o pretexto que em 29 de outubro de 1945, precipitou o fim do Estado Novo, com os Generais Gaspar Dutra e Góis Monteiro cercando o Palácio de Guanabara com forças blindadas, obrigando Getúlio Vargas a renunciar. Estava virada a página de um importante período da História do Brasil. 


AGORA VAMOS TESTAR SEUS CONHECIMENTOS. CLIQUE NA ABA EXERCÍCIOS NO ALTO DA PÁGINA!!

A Crise na Primeira República


CLIQUE AQUI PARA IMPRIMIR  


Introdução.
A princípio devemos considerar que a ERA VARGAS correspondeu a um período historicamente muito rico para o Brasil. Em linhas gerais esta fase representou mudanças e ou reajustes de interesses entre os grupos sociais. Estas alterações representariam em tese a quebra do paradigma (modelo) da República Velha ou Primeira República através do advento da "Revolução" de 30 (isto mesmo, revolução entre aspas). Porém para compreendermos melhor como foi possível a "Revolução" de 30 (que corresponde a primeira fase da ERA VARGAS) será necessário voltarmos ao período anterior e verificarmos quais condições contribuíram para o desgaste do modelo em vigor conhecido como Primeira República ou República Velha.

O desgaste da República das Oligarquias.
Na primeira década do século XX, o acordo político entre as elites, que davam sustentação ao regime oligárquico, apresentava sinais de esgotamento. A República sonhada em 1889 não correspondia aos princípios praticados em meados dos anos 20 do século passado. Frustrou as expectativas da população, portanto não era de causar espanto a quantidade de manifestações de insatisfação popular que eclodiram pelo país, além das críticas ao modelo de condução da economia e da política, diversos setores da sociedade entre os quais a classe trabalhadora e as camadas médias urbanas promoviam agitações. O mal-estar chegou a atingir até alguns representantes das oligarquias em várias regiões do Brasil. Nas forças armadas era notória e crescente a insatisfação nos quartéis, na Marinha foi sinalizada pela Revolta dos Marinheiros de 1910  e no Exército os jovens oficiais genericamente denominados de "tenentes" acirravam os ânimos contra o regime oligárquico pregando o fim das oligarquias, melhoria no processo eleitoral com implantação do voto secreto, política nacionalista e centralização do poder.    
De maneira geral podemos atribuir que dois problemas graves afetaram a República oligárquica:
1- Os privilégios econômico-financeiros do setor agrícola (principalmente o cafeeiro)
2- A estrutura política baseada na corrupção e no voto de cabresto.
Estes dois fatores eliminavam a representatividade política dos grupos urbanos (principalmente a burguesia industrial paulista em ascensão). Interesses contrariados o grupo formado por banqueiros e industriais que junto a classe média urbana, aos operários e aos imigrantes iniciam uma proposta de “modernização” do país e para tanto seria necessário focar as prioridades do governo para a indústria e não mais na agricultura. O poder político dos coronéis (nordeste) e dos barões do café (sudeste) estava em xeque. Durante a década de 20 travou-se a queda de braço entre os grandes latifundiários e a burguesia urbana, porém um acontecimento externo e de repercussão global afetaria mortalmente o poder econômico dos cafeicultores: A Crise de 1929.
Enfraquecidos, ou melhor, falidos pela crise econômica de 1929 os barões do café perdem prestígio político. Era a oportunidade que as elites urbanas precisavam para tomar o controle da política nacional.
A palavra de ordem era “Modernidade” e em nome desta, movimentações amplas seriam realizadas para colocar o país nos trilhos do desenvolvimento. O discurso modernista representava o novo, o inédito e para tanto seria necessário desvincular-se da imagem da economia agrária e da sociedade rural a fim de deslocar as prioridades para a economia industrial e a sociedade urbana. Ao final esta última conseguirá impor seus interesses.

A Semana de Arte Moderna.
O descontentamento geral instaurou-se país afora, diversos grupos sociais emitiam sinais de que desejavam a renovação da vida nacional. Isto também foi percebido na área cultural com o advento da Semana de Arte Moderna.
Em fevereiro de 1922 um grupo de jovens artistas, patrocinados por membros da elite industrial paulistana, promoveu no Teatro Municipal de São Paulo o evento denominado de Semana de Arte Moderna. Reunindo nomes que representariam a nata do denominado movimento Modernista Brasileiro como os escritores Mário de Andrade, Oswald de Andrade e Menotti del Picchia, o maestro Heitor Villa Lobos, os pintores Anita Malfatti e Di Cavalcanti, além de outros. Influenciados pelo Modernismo europeu, estes artistas apresentaram suas obras que destoavam por completo daquilo que a platéia e os críticos conservadores entendiam por arte. A reação da platéia foi violenta: além das vaias, objetos foram arremessados ao palco. 
Com tanta irreverência, diante das formas acadêmicas A Semana de 1922 tornou-se um marco na renovação das artes no país, criando novos referenciais para as futuras produções artísticas. Paulo Prado, um dos patrocinadores do evento, comparou a uma "Renascença moderna" e afirmou: "A semana de arte foi o primeiro protesto coletivo que se ergueu no Brasil contra os fantoches do passado... Assim iniciou o grupo de Arte Moderna a obra de saneamento intelectual de que tanto precisamos".        

A Reação Republicana.
Foi como ficou conhecido o movimento de oposição apoiado por militares e pelos políticos do partido republicano dos estados da Bahia, Rio Grande do Sul, Pernambuco e Rio de Janeiro cansados da alternância de mineiros com paulistas na presidência da república. Extremamente tensa e tumultuada, a campanha eleitoral levou a crise do seio das oligarquias ao interior dos quartéis. Em virtude do caso das "cartas falsas" os candidatos a presidência trocaram farpas pela autoria do teor das cartas fato que provocou incidente da luta armada no Recife que terminou com a intervenção do governo federal e a prisão do marechal Hermes da Fonseca. Este episódio envolvendo o Marechal provocou enorme descontentamento dos militares em relação ao governo oligárquico.

Revoltas Tenentistas
Após a prisão do marechal Hermes da Fonseca, 302 militares jovens do Forte de Copacabana, Rio de Janeiro, promoveram um levante. Para reprimi-los o governos cercou o forte com cerca de 3 mil soldados. Numericamente inferiorizados a maioria dos revoltosos se rendeu, mas para 17 militares a causa não estava perdida e de armas em punho saíram em marcha pelas ruas de Copacabana.  O episódio conhecido como os 18 do Forte foi a primeira manifestação de repercussão nacional do movimento tenentista. Em afronta ao governo a marcha dos tenentes teve a participação de um civil, um engenheiro, que se somou aos dezesete rebeldes, porém morreu nos combates que se seguiram, assim como a maioria dos oficiais rebelados contra o governo. Do grupo de 18 apenas dois sobrevieram aos combates: os tenentes Siqueira Campos e Eduardo Gomes.
Outro movimento tenentista de repercussão nacional foi a Coluna Prestes. Liderados pelo major Miguel Costa e pelo capitão Luis Carlos Prestes a coluna percorreu o interior do Brasil por mais de 2 anos e cerca de 25 mil quilometros a pé combatendo o governo e defendendo os ideais tenentistas. Utilizado táticas de guerrilha o grupo de 1500 pessoas venceu muitos combates que travou com as forças do governo. Até Lampião foi convocado pelo Estado para combater a coluna durante sua passagem pelo sertão nordestino, ganhando o título de capitão, mas o cangaceiro desistiu do combate e preferiu ficar com as armas que recebeu do governo para lutar contra os rebeldes. Após dois anos a Coluna Prestes estava reduzida a pouco mais de seiscentas pessoas mal armadas, cansadas e sem auxílio resolveram dissolver a Coluna Prestes e refugiarem-se na Bolívia. Tempos depois Prestes se converteria à doutrina Marxista e filiaria-se ao Partido Comunista do Brasil - PCB, tornando-se por muitos anos seu principal dirigente.

A Revolução de 1930 - Introdução
A Revolução de 1930 deu início a uma nova etapa de nossa história política que estendeu-se até 1945, essa fase foi marcada pela liderança política de Getúlio Vargas. Habitualmente denomina-se esta fase como: A Era VArgas. Podemos segmentá-la em Revolução de 30, Fase constitucional e Estado Novo (1937-1945) este último, um período ditatorial, baseou-se na burocracia complexa, no poder centralizador e com a intervenção do Estado na economia e nos sindicatos.
Vargas foi o candidato da conciliação “nacional” e representava os interesses das elites. Se por um lado pregava a modernização do Brasil (atendendo aos desejos dos industriais e banqueiros) por outro não causava receio a tradicional elite agrária, pois era filho de rico estancieiro gaúcho (grande produtor rural). Esta dúbia característica de Vargas foi fator de apaziguamento entre as forças políticas nacionais em torno do nome deste gaúcho de São Borja e possibilitou, durante sua trajetória no cenário político do Brasil,  exercitar aquela que é considerada sua maior habilidade: a de transitar com facilidade entre as diversas camadas da sociedade. Vezes afagando as elites outras vezes protegendo as massas populares.

sexta-feira, 29 de março de 2013

A fundação de Salvador - Parte I



A ocupação do território da “cabeça do Brasil”.

Quando foi nomeado governador geral,Tomé de Sousa que, de acordo com o regimento de Almerim, documento que representa a certidão de nascimento de Salvador, continha instruções precisas para edificar uma fortaleza e povoação grande e forte num lugar conveniente, a intenção do rei de Portugal era dotar as novas terras de uma presença mais efetiva de representantes da coroa portuguesa. Portanto quando Tomé de Sousa desembarcou na região da Barra, atualmente nas imediações entre o Forte de São Diogo e o Iate Clube, já encontrou ali um núcleo de habitantes, uma pequena vila chamada de Vila Velha ou Vila do Pereira, assim chamada em virtude do nome do antigo donatário da capitania da Bahia Francisco Pereira Coutinho.


As origens da Vila.  
  
O Francisco Pereira era conhecido pela alcunha de “rusticão”, devido a sua rudeza no tratamento principalmente com os “gentios da terra”, ou seja, os índios. Quando aqui chegou em 1536 trouxe consigo parentes, amigos e colonos e “construiu casas para 100 moradores” e sua moradia estima-se que estava localizada no outeiro (alto)  nas imediações da Igreja da Vitória com vista de frente a enseada do Iate Clube. Aqui já habitava um velho morador da Bahia de Todos os Santos, Diogo Álvares, o Caramuru. Pouco se conhece sobre Diogo Álvares, contudo estudos indicam que entre 1510 e 1511 chegou a Bahia em virtude de um naufrágio. Caramuru foi importante peça nas negociações da tensa convivência entre portugueses e índios, tanto que obteve o lote de terra (sesmaria) que ia da região do atual bairro da Graça até o bairro do Rio Vermelho. Casou-se com Paraguaçu, a filha do cacique, que mais tarde foi batizada na França com o nome de Catharina Paraguaçu. Converteu-se ao catolicismo e ergueu uma pequena ermida que mais tarde transformou-se na Igreja da Graça (no bairro da Graça) , local onde esta sepultada. Apesar da interferência de Caramuru para apaziguar os ânimos entre colonos e índios um fato vai mudar drasticamente a vida da capitania da Bahia. Em 1545 algumas tribos dos índios da Bahia de Todos os Santos atacaram a vila do Pereira e ao mesmo tempo os colonos rebelam-se contra o donatário e desejavam prendê-lo. Mas ele retira-se para a capitania de Pero de Tourinho em busca de ajuda, onde permaneceria até em 1546 quando Caramuru foi buscá-lo trazendo a notícia de que os franceses haviam incendiado a vila do Pereira e confiscaram a artilharia de defesa. Pereira Coutinho resolveu regressar, mas quando estava nas imediações da Ilha de Itaparica sua embarcação afundou nos recifes e os Tupinambás de Itaparica que eram antropófagos o prendem e o devoram em seguida. Com a morte do donatário o rei D. João III prefere reverter a capitania para a Coroa e foi esta circunstância que fez da Bahia a primeira capitania da Coroa e propiciou a condição de sede do governo-geral do Brasil criado em 1548.


Gravura indicando os limites da Vila do Pereira, local onde situava-se a moradia no donatário Francisco Pereira Coutinho, o rusticão. Atualmente corresponde a área do Farol da Barra ao Forte de São Diogo.










A chegada de Tomé de Souza.

Quando desembarcou no Porto da Barra em 29 de março de 1549, Tomé de Souza foi bem recebido pelos colonos, índios e por Diogo Caramuru. O então governador geral do Brasil trazia consigo um documento com instruções claras sobre a sua empreitada. O Regimento de Almerim, podemos dizer que foi a certidão de nascimento  de Salvador, determinava, no seu primeiro item, o que vem demonstrar a importância da questão, que o primeiro governador fizesse "uma fortaleza e povoação grande e forte" em um lugar conveniente destinada a ser a Cabeça do Brasil para dali "dar favor e ajuda às outras povoações". Este seria o primeiro espaço físico e urbano de total controle do Estado, chefiado por um funcionário e administrador do Estado português na colônia.
Espaço metropolitano que deveria dar "favor e ajuda às outras povoações e se ministrar justiça e prover nas coisas que competirem a meu serviço e aos negócios de minha fazenda e a bem das partes".
Sem perder tempo, partiram em busca do local adequado para construção da sede administrativa. Tomando o caminho em direção ao atual corredor da Vitória, e margeando o litoral chegaram ao local que se achou mais adequado para iniciar a fortificação, nenhum ponto é mais apropriado para o assentamento da cidade, que o trecho no alto promontório entre as gargantas da Barroquinha e do Taboão,acidentes topográficos propícios para construção de obras de defesa, compreendido entre a atual Praça Castro Alves e a Misericórdia. Erguida no alto de uma escarpa, entre a Baía de Todos os Santos e os morros, Salvador foi a primeira cidade planejada do Brasil. O mestre das obras Luiz Dias foi o “arquiteto” que traçou as linhas limítrofes e o plano urbano primitivo (obedecendo as “traças e amostras” recebidas em Lisboa) do “arruamento” daquela que foi denominada cidade do Salvador. Os colonizadores tomaram o cuidado de construí-la nos moldes das cidades de sua terra natal e mantiveram nela a aparência medieval de Lisboa, com ruas estreitas, curvas e dispostas perpendicularmente umas às outras. Outra herança lisboeta são seus fortes, que fazem de Salvador uma típica cidade-fortaleza. Abrigando cerca de 1000 habitantes em 1549, a primeira capital do Brasil cresceu em dois planos, a cidade alta e a cidade baixa. O movimentado porto e um pequeno comércio local ocupavam a estreita e extensa faixa litorânea (era o que mais tarde denominou-se bairro da Praia, atual Bairro do Comércio) ligada à cidade alta por ladeiras e barrancos (em 1920 foi construído o Elevador Lacerda). Os edifícios oficiais (a casa do governador-geral e a sede do governo foram os primeiros a serem erguidos) e as residências localizavam-se no alto da escarpa, a parte nobre da cidade. Mas foi na cidade baixa, nas imediações onde hoje situa-se o elevador Lacerda e a Igreja da Conceição da Praia, que era conhecida como Ribeira do Goes ou das Naus, que foram construídos os depósitos e barracões para o armazenamento do  material de construção utilizado para erguer a cidade. Neste mesmo local, na praia, que foi erguida a primeira ermida, consagrada a Nossa Senhora da Conceição, padroeira do governador.

Núcleo urbano primitivo da cidade do Salvador - 1551

As ligações entre as partes alta e baixa da cidade, fundamentais para os trabalhos de construção e, de comunicação de pessoas e coisas, foram, no princípio duas, a saber: Primeira- o caminho que veio a ser conhecido como Ladeira da Conceição, que tinha inicio no alto, na praça do Palácio, atualmente Praça Municipal, estando a construção terminada no final de 1549. No entanto este caminho por ser considerado de alta declividade mostrou-se inconveniente para o transporte do material de construção, motivo pelo qual levou a imediata construção do Segundo, que partindo da Porta de Santa Luzia – atual praça Castro Alves – seguia pelas imediações das Ladeira da Gameleira e da Preguiça e terminava na Ribeira dos Pescadores – defronte as Fonte da Pedreiras, atualmente nas imediações do Trapiche Adelaide. 


Modificações no território de Salvador. Uma cidade fortaleza ou a fortaleza que tornou-se cidade? 
                                                                                 

Poucos registros restaram dos muros da fortificação erguida por Luis Dias em 1549, tanto que em 1580 já não se podia ver os muros da antiga fortificação. O projeto de defesa de Salvador constituía em conjunto de muros e fossos, articulado por caminhos irregulares, praça administrativa, espaço para igreja e dois alargamentos encerrados na porta Sul - Porta de Santa Luzia – (era o fosso situado entre o atual Palácio dos Esportes e a escada da Barroquinha) e na porta Norte ( Porta de Santa Catarina), assim a cidade no primeiro período se apresenta como espaço que abriga as edificações vinculadas às decisões máximas da província, mas também como abrigo de atividades sociais, como articuladora entre edifícios religiosos e lugar onde aconteciam atividades comerciais que exploram os caminhos de conexão geral 
(REIS,FILHO, 1968; UFBA, FAUFBA-CEAB, 1998, p.144-145). A cidade fortificada protegia-se externamente de outras potências da Europa pelos fortes localizados na entrada da Baía de Todos os Santos: Santo Antônio da Barra (1583) e Mont Serrat (1583/87). Estas construções constituiriam uma nova paisagem no “sítio natural” que, até então, somente sofria intervenções provenientes de tentativas de domínio e explorações incipientes e externas, ou das culturas pré-existentes (UFBA, FAUFBA-CEAB, 1998, p.66; OLIVEIRA, 2004, p.182 187). A arquitetura militar define a paisagem de Salvador desde os seus fortes, suas portas de defesa, seus baluartes, suas muralhas e quartéis, entre outros tipos. Posicionados estrategicamente, os seus largos para treino, organização e manobra das tropas e equipamentos de artilharia, em muito contribuíram para a definição do tecido urbano, como se verá mais à frente.


A fundação de Salvador - Parte II



A presença da Igreja na formação dos limites da cidade de Salvador

Além das características de defesa, portuárias e de produção agrícola, a cidade define-se também pela presença marcante da Igreja Católica, inicialmente, com a Companhia de Jesus e seus missionários que aqui se estabeleceram para fins de catequese. A eles se deve a primeira ermida construída - a de Nossa Senhora da Conceição - na área da praia, a instituição do primeiro bispado do Brasil, em 1551, com a sua Sé.       
Jesuítas e Franciscanos estruturaram-se dentro dos limites reservados à cidade, após a primeira expansão, enquanto os Beneditinos e os Carmelitas, ainda fora das portas da cidade, posicionaram-se de forma estratégica onde se previa o crescimento da cidade, demarcando o seu território e, ao mesmo tempo, reforçando os vetores de expansão no sentido norte / sul (UFBA, FAUFBA-CEAB, 1998, p.58-59). É perceptível o poder de definição da Igreja Católica cuja influência recaia na estrutura das cidades colonizadas, nesta época. 
Se os espaços livres no entorno de edificações religiosas cumpriam a função de atendimento a ritos religiosos, para muito além desta necessidade, traziam também o objetivo de permitir o enquadramento e a valorização do conjunto, demonstrando a força e o prestígio da entidade e dos seus dirigentes. A construção da Sé (demolida em 1913), que substitui a igreja de palha inicial (localizada nas imediações da atual Igreja da Ajuda), surge ainda em finais do século XVI, entre as duas grandes praças do primeiro núcleo, em posição privilegiada e área fronteiriça à escarpa, de frente para a baia. É a Igreja do Salvador – a Sé Episcopal. Situada em pequeno terreno livre e sem vegetação que contorna toda a igreja, “[...] está em redondo cercada de terreiro [...], faltam torres de sinos [...] alta e sóbria que por sua vez articula-se por rua larga com uso de comércio”. No lugar da anterior capela de palha constrói-se a Igreja de N. S. d’Ajuda, “com capela em abóbada”, conservando “aquele” seu espaço fronteiriço (Soares, apud UFBA, 1998, p.53).

Expansão de Salvador em 1553.
Percebe-se claramente a interferência dos jesuítas no traçado do “terreiro”. Espaço monumental e geometri-camente bem definido, ganha o nome de Terreiro de Jesus por abrigar o colégio e a igreja da ordem. Espaço nascido para o exercício do sagrado e da formação cultural, começa a ser edificado a partir da segunda metade do século XVI e constitui o segundo largo da cidade e local da primeira escola oficial brasileira. Seu entorno contém também edificações residenciais e, na seqüência, a ordem dos franciscanos demarca o espaço com o seu cruzeiro, símbolo da ordem (Cruzeiro de São Francisco). Nesses elementos que formam um conjunto religioso.


Expansão de Salvador em 1580.                                                                   A expansão da cidade para o Norte e Sul.       

A cidade extrapola os muros e em 30 anos após a criação do núcleo urbano primordial edificado por mestre Luis Dias já estava expandindo para o norte em direção a porta do Carmo localizada nas imediações do largo do Pelourinho e subindo para o Convento do Carmo. Conforme relato sobre a cidade do Salvador em 1584 diz que a cidade foi "murada e torreada no tempo do governador Tomé de Souza e depois os muros vieram ao chão, por serem de taipa, e não se repararem nunca.... por ser a cidade ir estendendo muito por fora dos muros, e agora não há memória onde eles estiveram”.  Ao Sul a cidade cresce ultrapassando os limites da garganta entre da porta de São Bento e a Barroquinha. O mosteiro de São Bento já é uma referência dos caminhos que a cidade começa a tomar. O caminho do Conselho o que hoje corresponde a Avenida Sete de Setembro, liga a Vila Velha a antiga povoação do Pereira e passava por varias aldeias de índios. Na Praia que hoje corresponde ao bairro do Comércio na cidade baixa, era a área de preferência comercial ligado ao ramo de importação e exportação e também era zona de construção naval, com vários estaleiros e presença de trabalhadores do setor naval.

A planta urbana é de 1630. Observe a limitação do núcleo primitivo da cidade ainda demarcado pelas muralhas.

Em 1600, já havia uma praça central, na área administrativa circundada pelos edifícios do governo, da prisão, da alfândega e onde se localizava o pelourinho (uma coluna de pedra com grandes argolas de bronze, na qual eram açoitados escravos). As igrejas completavam o cenário. O material usado na construção dos prédios, como pedras de liós e azulejos, era importado de Portugal por imposição da Coroa. Até as casas seguiam o modelo português: estreitas, tinham frente rente à calçada, janelas com treliças, típicas da arquitetura lusitana, e jardins nos fundos.

Os grupos étnicos

Três grupos étnicos fizeram parte do povoamento inicial de Salvador: o índio, o branco e o negro. Os habitantes primitivos do Recôncavo Baiano eram índios tupinambás e tupiniquins, tribos pertencentes ao grupo tupi. As relações cordiais entre colonos e índios deterioraram a partir de 1530 – quando as lavouras de cana-de-açúcar se expandiram e os portugueses tentaram, sem sucesso, escravizar os índios – em conflitos violentos, que resultaram no extermínio dos nativos. Atualmente na área do município de Salvador não possuí nenhum núcleo de população indígena.  A seguir está o relato de Gabriel Soares de Sousa, senhor de engenho e cronista na Bahia do século XVI, descreve suas impressões sobre o modo de vida dos Tupinambás, uma das tribos que habitavam a região do Recôncavo Baiano: 
“Têm os Tupinambás grande conhecimento da terra por onde andam, pondo o rosto no sol, por onde se governam; com o que atinam grandes caminhos pelo deserto, por onde nunca andaram (...). Costuma este gentio, quando anda pelo mato sem saber novas do lugar povoado, deitar-se no chão, e cheirar o ar, para ver se lhe cheira a fogo, o qual conhecem pelo faro a mais de meia légua,(...) e por os Tupinambás terem este conhecimento da terra e do fogo, se faz muita conta deles, quando se oferece irem os Portugueses à guerra a qualquer parte, onde os Tupinambás vão sempre diante, correndo a terra por serem de recado, e mostrando a mais gente o caminho por onde hão de caminhar, e o lugar onde se hão de aposentar cada noite (...)"..


Ao perceberem que os índios eram arredios ao trabalho forçado, os colonos passaram a explorar a mão-de-obra dos negros, capturados no litoral oeste da África. Os principais grupos afros que seguiram para a Bahia vieram do Sudão, da Nigéria, de Daomé e da Costa do Marfim. No fim do século XVIII, cerca de 60% da população de Salvador era de raça negra. Hoje, Salvador ainda mantém essa mesma proporção de negros ou descendentes.


Salvador sitiada – A ocupação Holandesa

Em primeiro lugar é necessário esclarecer que o termo holandês não existia em 1624. O país Holanda não existia. Antes a área que atualmente corresponde a Holanda, era conhecida como os Países-Baixos, ocupada por cidades-estados, cidades comerciais que são auto-suficientes na sua estrutura, entre elas: Amsterdã, Roterdã, Leiden. Podemos afirmar que a Holanda de hoje foi formada a partir das chamadas empresas de sociedade anônimas, ai sim, encontramos alguma relação com as invasões no Brasil e mais precisamente na Bahia. 
As principais companhias da época eram a Companhia das Índias Ocidentais e a Companhia das Índias Orientais. Em verdade não é o Estado holandês que vai invadir a Bahia e sim uma empresa privada a Companhia das Índias Ocidentais, que tinha entre seus funcionários um príncipe de nome Maurício de Nassau. Por que a Bahia é escolhida para ser o ponto de tomada de uma empresa de capitais ou sociedade anônima que se instala na Holanda?
Por uma razão muito simples, o açúcar era o grande negócio e o ponto estratégico da rota da Índia era outro grande negócio e ambos aportavam na cidade do Salvador. A Companhia das Índias Ocidentais transfere-se do interesse puramente mercantil para o interesse também militar. Isto é, tomar a cidade que significava a continuação do esquema de comercio privado, do esquema particular das negociações, da carreira da Índia e da produção interna de açúcar. A Companhia das Índias Ocidentais passa a ser uma empresa militar para a conquista da Bahia. A grande motivação desta invasão foi como decorrência da união das coroas de Portugal e Espanha (a Espanha proibiu o Brasil de ter relações comerciais com a Holanda),então em decidem 1623 assaltar a Bahia.
 Em maio de 1624 chegava a Salvador a esquadra comandada por Jacob Willekens, tendo sob suas ordens 26 navios e 500 bocas de fogo; os invasores ocuparam facilmente a cidade, nela permanecendo por um ano, até serem rechaçados pela armada luso-espanhola, comandada por D. Fradique de Toledo Osório.
Inconformados com a perda da metrópole, a ela retornaram os holandeses em 1638, quando já fortemente estabelecidos em Pernambuco, tomado em 1630. Dessa feita, o ataque foi comandado por Maurício de Nassau, que, havendo iniciado o assédio em 16 de abril, retirou-se, batido, em 29 de maio. Comandou a defesa o conde de Bagnuolo. Vê-se que a presença holandesa na Bahia foi mais curta e este mito de que os holandeses construíram dique e fortificação não passa de invencionice popular. O tempo em que aqui estiveram estava tomado por  preocupação na defesa de sua posição frente a reação dos habitantes de Salvador, não havia espaço para realizar construções.  
Fonte: (Transcrição adaptada da palestra de Cid Teixeira efetuada no Crea-Ba)